Terça-feira, 2 de Agosto de 2011
Cada coisa a seu tempo!!

Cada coisa a seu tempo, seu tempo tem.

Não florescem no inverno os arvoredos, nem pela primavera, pois têm os campos frios e brancos.

À noite, que entra, não pertence, Margarida, o mesmo ardor que o dia nos pedia, com mais sossego amemos como a nossa intensa vida.

À lareira, cansados, não da obra, mas porque a hora é a hora dos cansaços.

Não puxemos a voz Acima de um segredo, e casuais, interrompidas, sejam nossas palavras de reminiscência.

Pouco a pouco o passado recordemos E as histórias contadas no passado, agora duas vezes histórias, que nos falem Das flores que na nossa infância ida com outra consciência nós colhíamos e sob uma outra espécie de olhar lançado ao mundo.

E assim, Margarida, à lareira, como estando, ali na eternidade, como quem compõe uma história.



publicado por Carol às 15:09
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim
.Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Férias

. Cada coisa a seu tempo!!

. Ai o amor

. O medo nao trava nada

. Tu amas??

. Ao teu lado!!!

.arquivos

. Agosto 2011

. Dezembro 2010

.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds